Segunda, 18 Janeiro 2021 22:01

Bancários Rio, 91 anos. Comemoração numa hora dessas?

E lá se vão 91 anos desde que o Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro começou a escrever sua história. Ultrapassamos a marca de nove décadas de atuação em defesa dos direitos das trabalhadoras e trabalhadores. Os tempos são duros, o presente é de pandemia e o futuro preocupa. Mas sim, é preciso celebrar porque o que foi construído até aqui não foi pouco. Somos um dos maiores sindicatos do Rio de Janeiro e estamos entre os maiores do país. Caminhamos nesses muitos anos atravessando momentos muito, muito difíceis: crises, desemprego, revolução tecnológica, repressão da ditadura e agora uma pandemia que assola o país desgovernado.

Nossa luta nunca foi fácil. Temos feridas abertas como a perda do presidente Aluízio Palhano, assassinado por enfrentar a ditadura. Mas temos também nele inspiração para seguir, mesmo quando tudo parece tão difícil. Foi assim que conquistamos muitos de nossos direitos como por exemplo PLR, jornada de seis horas, 13ª cesta de alimentação, licença paternidade estendida e, mais recentemente, acordos específicos sobre home office, com garantias não previstas na legislação. E é assim que temos conseguido preservá-los nesses tempos em que tantas categorias têm cortadas suas conquistas, perdendo direitos.

Aos 91 anos, o Sindicato dos Bancários se vê diante do enorme desafio de manter e, em alguma medida, reinventar a organização das (os) trabalhadoras (es). Um trabalho de reconstrução sindical e que precisa ser realizado em novas bases. Temos nos inspirado no passado mas buscado com determinação, novas formas e ferramentas para enfrentar um presente complexo e um futuro de incertezas. O sistema financeiro está em mutação e as respostas antigas para estabelecer diálogo e negociação já não servem mais. Nossa atuação nas redes sociais, nosso mergulho na comunicação virtual, mas sem perder a oportunidade de conversar no velho estilo “olho no olho” com bancários e bancárias, a incorporação de companheiros e companheiras mais jovens da nossa base, por exemplo, têm sido decisivos para entender e reagir, junto com a categoria, nesse momento. O home office e a reestruturação da profissão são temas que exigem atualmente nossa dedicação e aprofundamento. Não é uma luta simples e temos nos aprimorado com apoio de assessoria técnica para traçar estratégias eficazes de defesa de nossos direitos diante dessa conjuntura. Da mesma forma, as demissões em massa e o ataque aos bancos públicos por um governo pautado na destruição requerem articulação e atuação firme.
Sim, os 91 anos são ao mesmo tempo de luta e de celebração. Seguiremos rumo aos 100 anos com alegria e determinação. O Sindicato não é da sua diretoria. O Sindicato dos Bancários do Rio de Janeiro tem orgulho de ser de todas (os) as(os) bancários e bancárias do município. É a nossa casa. É a nossa arena de luta e de conquistas. E ainda temos muita história pela frente. Ao completar seis anos desses 91 na presidência do Bancários Rio, deixo meu agradecimento a cada uma e cada um que faz parte dessa história. E o convite aos demais para que se juntem a nós. Sigamos [email protected]!

Adriana Nalesso, presidenta do Sindicato dos Bancários Rio

Mídia