Informativo On-Line:

Cadastre-se e receba o informativo do sindicato por email.

Grito dos Excluídos protesta contra Temer, reformas e privatizações

NOTÍCIAS

11, setembro 2017 16:51

Bancários participaram da passeata do Grito dos Excluídos

O aumento do desemprego que virá como consequência da lei da terceirização irrestrita e das novas regras trabalhistas aprovadas por iniciativa do governo Temer foi a principal crítica das manifestações do Grito dos Excluídos, no Dia da Independência, 7 de setembro, em todo o país. Outra crítica foi a outro projeto do governo que pretende privatizar dezenas de estatais, entre elas o Banco do Brasil, a Caixa Econômica Federal, a Casa da Moeda, a Eletrobras, os Correios e a Petrobras. 
Este ano o tema do Dia dos Excluídos foi “Mais emprego, menos violência”, uma referência a dois grandes problemas que tendem a se intensificar com o aprofundamento da política recessiva, privatista, de entrega das nossas riquezas ao capital internacional e de redução de direitos do atual governo. A diretoria do Sindicato esteve no ato e lembrou que esta política tem como principais apoiadores os banqueiros. 
A diretora Jô Araújo lembrou que os excluídos não são apenas a parte da população abaixo da linha da pobreza, mas todos os trabalhadores, entre eles os bancários, ameaçados com o desemprego em decorrência das medidas de Temer. A dirigente defendeu uma ampla resposta da sociedade contra a terceirização irrestrita e a reforma trabalhista. “É preciso uma campanha conjunta de todas as categorias para barrar estas medidas e impedir a votação da reforma da previdência”, defendeu.
Privatização
Além dos bancários, representantes de várias outras categorias ameaçadas pelas reformas, a privatização e o desemprego estiveram representadas na passeata do Grito dos Excluídos no Rio de Janeiro que foi da Rua Uruguaiana a Praça Mauá. Entre elas os trabalhadores da Casa da Moeda, da Uerj e de universidades federais. Participaram também dirigentes das centrais sindicais CUT e CTB e dos partidos políticos PT, PSOL e PSTU.

Abaixo-assinado pelo cancelamento da reforma trabalhista

A diretoria do Sindicato fará caravanas a partir desta quarta-feira pelas agências bancárias como parte da Campanha Nacional dos Bancários. Durante a mobilização serão coletadas subscrições ao abaixo-assinado de apoio ao Projeto de Iniciativa Popular que revoga a reforma trabalhista. A medida aprovada pelo Congresso Nacional entra em vigor em 11 de novembro.
A campanha pelo cancelamento da reforma vem sendo feita em todo o país pelos sindicatos filiados à CUT e por partidos de oposição. A meta é atingir 1,3 milhão de assinaturas. Na próxima quinta-feira (14/9), será realizado um Dia Nacional de Lutas pela Anulação da Reforma Trabalhista.
 

Comentários


Para comentar você precisa estar logado.

Leia também:


23, November 17

Aprovada previsão orçamentária do Sindicato para 2018

23, November 17

Comitê Estadual em Defesa da Caixa será lançado no Rio, dia 30 de novembro

22, November 17

Temer sucateia Previdência para justificar reforma